sexta-feira, abril 30, 2010

Mai@s - o Povo novo já chegou...

ao cais da sardinha e portas do mar...
será que chega à cidade?




fotos Marta Fernandes da Silva

segunda-feira, abril 26, 2010

sábado, abril 24, 2010

25 de Abril também recordado na Bolívia


Porque estamos em ano de internacionalizaçao, descalças organizamos hoje, em Cochabamba, uma tertúlia alusiva ao 25 de Abril em Portugal.
Será a partir das 21horas, no Cine arte 35mm.
Poesia, Música, Fotografia e Cinema para contar uma história que nos pertence e à qual pertencemos!

Org. Descalças cooperativa cultural e CineArte 35mm

quarta-feira, abril 21, 2010

sexta-feira, abril 16, 2010

manifesto sobre liberdade artística e mecenato cultural

foto retirada de: multicom.org

Mecenato Cultural é quando alguém que tem dinheiro manifesta a sua crença na criação artística.
Investir em arte, encomendar trabalho a artistas revela que não só a comunidade artística mas também uma parte (endinheirada) da sociedade acredita que a arte vale a pena ser incentivada, pode transformar o mundo e torná-lo um sítio melhor. A outra parte da sociedade - o público ou as entidades parceiras - são eternamente cúmplices porque compõem as partes fundamentais do diálogo com a arte.
Assim, são antigas as relações entre artistas e quem apoia, financia parcialmente o seu trabalho. Também é ainda mais antiga a relação entre a arte e o público a quem se destina. E há histórias de todos os tipos. Shakespeare, por exemplo, era constantemente pressionado para que escrevesse teatro que agradasse ao público. Mas as concepções de "agrado ao público" que os mecenas tinham e as reais eram, muitas vezes, bastante diferentes. Rivera viu destruído um mural porque pintara uma verdade política e social, a arte incomodava, perturbava, acusava, não podia ser apoiada. Muitos mecenas apoiaram financeiramente obras de arte que os punham a eles próprios em causa, e isso apenas foi benéfico para esses mecenas que manifestaram, com certo humor, uma aceitação da crítica que é digna de pessoas mais capazes, mais à frente dos seus próprios tempos. O humor em Portugal conta vários episódios que vão desde a mais pura liberdade (artística, de expressão e de opinião) até à mais básica censura. Em tempos de ditadura e fora deles, histórias há muitas.
Uma história actual:
Porque acreditamos que a Arte é um bem comum e público que deve estar ao alcance de todos e todas, porque acreditamos que cada pessoa é portadora de capacidade criativa, sensibilidade estética e sentido de solidariedade e cooperação, acreditamos também na nossa própria capacidade criativa de, enquanto artistas ou cidadãs, nos manifestarmos pública e livremente no lugar onde escolhemos viver! Às vezes, algo tão simples, transforma-se numa batalha. Mesmo quando assim é, essa é uma batalha que consideramos valer sempre a pena travar.

quinta-feira, abril 15, 2010

partilhando coisas que nos chegam... de longe!

Após a formaçao que demos na Bolívia, na passada semana, recebemos esta mensagem da organizaçao:

“Cada día es una conquista”María Simoes (descalzas – Portugal)

Con esta frase me quede en la cabeza después de compartir tantas payasadas, sentimientos y peripecias con mi querida maestra, hermana, amiga maría.

Hemos vivido una semana intensa de emociones fuertes donde el corazón salta por medio de la ventana y cae unos 160 pisos… imagínense hacer eso con cada órgano de su cuerpo pulmones, corazón hígado… jajaja… primeramente hicimos un kilombo en la sede social de satélite con nuestra hermanas de Quilombo Teatro, q nos dejaron a todos emocionados y empayasadamente felices, dejaron en esa casa su esencia Quilombera… y desde ahora quien ingrese en nuestras vidas payasas será recibido con un abrazo Quilombero…

Luego los nubarrones prepararon el camino para nuestra hermana maría, que llego descalza dentro de la flota a la ciudad de El Alto, se maravillo con las películas, y nos dejo en el estado payaso… ese hermoso e inexplicable estado, donde los pequeños detalles cobran sentidos, donde puedes estar en contacto con las sensaciones, como volver a nacer, donde una pequeña mosca puede ser un parque de diversiones y esta misma puede pegarte un susto…

La Tabla Roja (La Paz, Bolivia)

quarta-feira, abril 14, 2010

Precisamos de vestir Maias e Maios


Foto de Marta Fernandes da Silva


É já a 30 de Abril e a 1 de Maio, no âmbito do projecto Azores Combo. Um povo de Mai@s sai à rua ali ao pé do mar.... Mas eles estão nus, elas nuas, e está um frio.........

De forma que... (porque a tradiçao às vezes teima em ainda ser o que era...) achando também que roupa reutilizada é o que mais sentido faz, e que roupa que já usada foi tem sempre tantas histórias para contar, vos perguntamos - se tiverem assim em casa roupas que nos ajudem a vestir...

O que precisamos:
Casaco e calças de fato/boné /chapéu que cheire a intelectual.
Saias, meias, casacos de malha ou outros, meias, lenços de cabeça que pareçam ir à missa.
Calças pretas e/ou outras, camisola ou tshirt, sapatos para um senhor que trabalha na rua.
Calças de fato de treino ou outras, pullovers para alguém que vai ao mar.
Casacos compridos, luvas, camisas, calças que sejam bons para dormir na rua.
Ou alguma coisa surpresa...

Se acharem que têm alguma coisa/roupa a ver com o que descrevemos e que a querem partilhar, digam-nos alguma coisa!
(Podem contactar para o telemóvel das Descalças -916448665- ou para descalcas@gmail.com para combinar)
E um abraço Descalço!

segunda-feira, abril 05, 2010

Descalças dao formaçao de Teatro, na Bolívia

La libertad payasa y la mirada en el teatro
Taller de Teatro

9 a 11 de Abril
La Paz, Bolívia
compartido por Maria Simoes
Descalças cooperativa cultural
Azores, Portugal

horario: 15h-19h
local: sede cultural de los vecinos del plan 405
Org. La tabla roja